Eternamente fiéis

P01_001

Eternamente fiéis
Arara-vermelha-grande (Ara chloropterus)
Eternamente fiéis, as araras escolhem um único companheiro para sua vida inteira. Sendo morador de uma área de floresta primária, fiquei observando, diariamente, casais de araras passando sobre minha casa e, as vezes, fazendo ninho nas proximidades. É assim que ganhei a constante confirmação da personalidade e fidelidade dessas belas e exóticas aves.
A maioria dos animais segue um comportamento sazonal de acasalamento, onde o casal se aproxima somente durante a época de reprodução e, depois do nascimento das crias, o romance acaba e cada qual segue seu caminho.
As araras são diferentes. Elas permanecem juntas, ano após ano, cria após cria. Diz a lenda que se um parceiro perder o outro, por alguma misteriosa razão, o sobrevivente voa para o alto, até que, de repente, fecha suas asas e se deixa cair ao solo, sacrificando-se junto à sua metade perdida.
Por seu sucesso e sua extensa visibilidade, “o beijo das araras” tornou-se o símbolo do meu trabalho fotográfico e a minha marca registrada, pois entre todos os cartões postais produzidos pela minha editora ele foi o mais comprado, um verdadeiro recorde de vendas.…

P01_001 – Leonide Principe
Camera Nikon F5 with Nikkor lens 80-200mm f2.8 – Diapositive Film Fujichrome Velvia 50 – Scanner: Nikon SUPER COOLSCAN 5000 ED
Digitized from a positive on film
Original file size: 5348px x 3585px
Location Taken: Paraná do Ariaú (Iranduba – Amazonas Brazil)
Date Taken: 1991
Collection: Birds – Persons shown: none
Keywords:
arara-vermelha-grande, Ara chloropterus, Green-winged macaw, Red-and-green macaw, araras, macaws, Psittasidae, aves, birds, FAUNA, animals, paraná do Ariaú, Ariau parana, Iranduba, Amazonas, Amazônia, Amazon, Amazonian, Brazil, Brasil, Brazilian, América do Sul, South America, beijos, kiss, kissing, emoções, emotions
P01_001 Forever faithful EN1
P01_001 Eternamente fiéis PT1
© – Leonide Principe, all right reserved
https://leonideprincipe.photos

Glorioso cartão postal

Por seu sucesso e sua extensa visibilidade, “o beijo das araras” tornou-se o símbolo do meu trabalho fotográfico, a minha marca registrada e o cartão postal mais procurado. Além disso, foi publicado em várias revistas, livros e até anúncios publicitários.

Fiquei observando o casal de araras por horas, elas não paravam de arrazoar, arengar, cavaquear, cochichar, murmurar, acarinhar, beliscar, beijar… sim, beijar mesmo, do mesmo jeito como humanos podem fazer, com o mesmo prazeroso sentimento, apaixonadamente.

A focal da minha lente zoom 80-200mm se manteve no máximo, em 200mm, para um primeiro plano cheio, e o uso do flash garantia a luz extra, que era necessária no sub-bosque, e também para propiciar um tempo de exposição seguro, não inferior a 1/125 de segundo. As araras viviam soltas em um hotel de selva, portanto bem acostumadas à presença humana. Elas estavam confortavelmente instaladas num galho e nada parecia interessá-las mais que seus paparicos.

Na sessão de tomadas, sigo um procedimento padronizado pelo hábito: neste caso, prioridade do tempo para evitar imagem tremida; a precisão do enquadramento (para que não haja necessidade de recortar a imagem); e o indiscutível foco nos olhos. Naquela época analógica, o fotógrafo tinha apenas 36 poses, a serem cuidadosamente administradas: o filme não poderia acabar no momento de maior intensidade da cena. Assim que havia uma conexão maior no que diz respeito ao ‘saber esperar o momento culminante da ação’.

Naquela sessão, eu levei para o laboratório uns 5-6 filmes por um total aproximado de 200 tomadas. E foi só na mesa de luz que eu vim descobrir esse beijo apaixonado, de olho fechado, com as penas da cabeça arrepiadas, o pescoço esticado de uma e o abrigo seguro na outra… era um verdadeiro romance!

Turistas, em visita à Amazônia e ao Brasil, enviaram dezenas de milhares de cartões postais aos seus queridos.  As duas araras apaixonadas voaram os quatro cantos do planeta. 

Na minha cabana à beira da floresta todo dia, por anos, venho acompanhando os casais de araras que voam sobre a oca circular, e claro, sempre advogando, declamando, comentando e noticiando de alguma coisa. As vezes, imitando, me meto em suas conversas animadas e eternas, mas não sei se elas me ignoram, ou talvez me encontram como outro assunto para fofocar. Quando eu tenho um ninho nas proximidades da minha morada, posso enxerir em seus hábitos. Comendo em alguma palmeira nas redondeza, a sua voz, altamente expressiva, me acompanha em minhas tarefas diárias, por horas, convocando-me a interpretar os assuntos da conversa.

Tento entender o que tanto tem a tagarelar, reflito sobre essa personalidade forte e expressiva, que tão naturalmente pertence ao céu da floresta tropical, seja por sua inequívoca sonoridade, como por suas cores e elegância do vôo. 

Ocasionalmente, os nativos podem capturar filhotes para criar em suas casas, ou para vender. A arara cativa, aquela que se torna um bicho de estimação, perde os conhecimentos essenciais que possuía na floresta e ainda destrói todas as fruteiras que estão nas proximidade da casa do «dono». Porém, a arara livre que vive na floresta já sabe tudo que precisa para perpetuar sua espécie, conhece as frutas da estação e onde elas estão, sabe quando estão maduras, pode comer algumas que são toxicas e depois ingerir um barro que ajude na digestão. Algumas vezes, eu vi aquelas que adoram a vida tribal: centenas se ajuntam em bandos nos grandes buritizais, famílias e tribos, e fazem festivais… pintando o céu com suas vivas cores voam numa aparente algazarra, declamando, contestando e celebrando a vida.

NFT disponível na OpenSea

P03_062

Um falatório que não para
Arara-vermelha-grande (Ara chloropterus)
Um cuidado constante de uma para com a outra, limpa as penas, coça a cabeça, parece que vai bicar e tudo isso se desenvolve num murmúrio contínuo, o falatório não para por nada. Ave psittaciforme da família Psittacidae, é conhecida como arara-verde e arara-vermelha-grande.
É fácil confundir a arara-vermelha com a arara-vermelha-grande. Esta última identifica-se por ser uma ave maior e com uma faixa verde nas asas.

P03_062 – Leonide Principe
Camera Nikon F5 with Nikkor lens 70-200mm f2.8 – Diapositive Film Fujichrome Velvia 50 – Scanner: Nikon SUPER COOLSCAN 5000 ED
Digitised from a positive on film
Original file size: 5391px x 3591px
Location Taken: Paraná do Ariaú (Iranduba – Amazonas Brazil)
Aproximate Date Taken: 1997
Collection: Birds – Persons shown: none
Keywords:
arara-vermelha-grande, Ara chloropterus, Green-winged macaw, Red-and-green macaw, araras, macaws, Psittasidae, aves, birds, FAUNA, animals, paraná do Ariaú, Ariau parana, Iranduba, Amazonas, Amazônia, Amazon, Amazonian, Brazil, Brasil, Brazilian, América do Sul, South America, beijos, kiss, kissing, emoções, emotions
EN(Analogic) A talk that doesn’t stop P03_062
PT(Analogic) Um falatório que não para P03_062
© – Leonide Principe, all right reserved
www.leonideprincipe.photos

P03_067

Conhece sua região
Arara-vermelha-grande (Ara chloropterus)
O vôo da arara é elegante e suave, e perfeitamente sincronizado. Não importa que sejam duas ou mais araras, elas voam em formação. Toda manhã, saem do ninho e se dirigem para áreas específicas com determinadas fruteiras. Elas conhecem bem sua região e conhecem os tempo de frutificação.

P03_067 – Leonide Principe
Camera Nikon F5 with Nikkor lens 80-200mm f2.8 – Diapositive Film Fujichrome Velvia 50 – Scanner: Nikon SUPER COOLSCAN 5000 ED
Digitised from a positive on film
Original file size: 3520px x 5391px
Location Taken: Paraná do Ariaú (Iranduba – Amazonas Brazil)
Aproximate Date Taken: 1993
Collection: Birds – Persons shown: none
Keywords:
arara-vermelha-grande, Ara chloropterus, Green-winged macaw, Red-and-green macaw, araras, macaws, Psittasidae, aves, birds, FAUNA, animals, paraná do Ariaú, Ariau parana, Iranduba, Amazonas, Amazônia, Amazon, Amazonian, Brazil, Brasil, Brazilian, América do Sul, South America, beijos, kiss, kissing, emoções, emotions
EN(Analogic) Know his region P03_067
PT(Analogic) Conhece sua região P03_067
© – Leonide Principe, all right reserved
www.leonideprincipe.photos

Versão 1.3 – Texto re-editado e revisado

Comentários

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!